To The Moon - Análise

Tudo o que acontece no mundo dos games, Nintendo, Microsoft, Sony e outras está aqui.

To The Moon - Análise

Mensagempor CDX » 27/11/2015 (Sexta-feira), às 19h02min

Fresquinha, acabei de terminar. Espero que gostem. :^^:

Lembrando que dá pra comprar To The Moon no Steam, no GOG e na Humble Store, é barato e tem tradução oficial pro português. :wink:

Lembro perfeitamente da primeira análise que escrevi. Foi em meados de 2005, no extinto fórum NGM. De Sonic Adventure 2, meu jogo favorito até hoje. Eu era um moleque espinhento de 14 anos recém saído do Ensino Fundamental que até então só tinha escrito contos e poemas de garagem. Textos explicativos que serviam pra eu falar sobre por que gostava daquilo que gostava eram completamente alienígenas pra mim. No fim das contas a análise ficou um lixo (tanto que anos depois fiz outra do mesmo jogo) mas o que importa é que naquela época sites como o Gamesfoda e o Gameblast, que defendem que os jogos devem ser avaliados não por critérios objetivos mas sim pela experiência pessoal que proporcionam, eram simplesmente inconcebíveis. As análises que eu tinha pra me guiar eram as dos colegas de fórum que também se arriscavam a escrevê-las, do site Finalboss (perda inestimável, minha maior inspiração em assunto de análises) e, principalmente, das revistas de games. Nintendo World e EGM Brasil, sobretudo. São exemplos nacionais, mas que bebiam diretamente da fonte de sites e revistas estrangeiras, então isso aí era o quadro geral.

Jogos independentes praticamente não tinham espaço naqueles tempos. Todos os sites brasileiros sobre games que pipocavam na rede (inclusive o próprio site da NGM, que estava estreando) eram feitos por moleques espinhentos como eu, que também tentavam seguir o modelo, com variações aqui e acolá. Esse modelo era falar sobre aspetos do jogo como gráficos, som, jogabilidade, enredo (quando importava), fator diversão, fator replay, etc de modo separado (às vezes até dando notas individuais pra cada aspecto) e por fim fazer um resuminho de como essas coisas se integravam no conjunto da obra, e quase sempre dar uma nota geral. Tinham uns que ousavam em algumas coisas (tipo eu e mais uns gatos pingados que fazíamos análise sem dar nota) mas quem escrevia sobre Videogame na época e fugia muito desse modelo estava condenado a ser olhado torto, como um amador que claramente não entendia o que tava fazendo ou do que tava falando. Mas com o tempo novos sites mais descolados foram surgindo, e com eles novas maneiras de se escrever sobre jogos, além do quê os indies foram ganhando espaço no mercado e na imprensa. Mais importante ainda: começaram a aparecer jogos que mostravam que aquele modelo de análise era claramente limitado, e não dava conta de mostrar o que esses novos jogos eram.

To The Moon é um desses jogos.



E veja bem, isso não quer dizer que tenha algo de errado em falar de jogabilidade e esse tipo de coisa numa análise. Eu faço isso até hoje, e acho importante. Mas para certos jogos isso não é suficiente, e às vezes (como agora) nem mesmo é a questão principal. To The Moon tem gráficos, som e jogabilidade competentes e a parte artística é fenomenal (ele te mostra o tempo todo que foi feito com um carinho e esmero muito acima de quase todas as produções milionárias por aí) mas com limitações óbvias na parte técnica, devido ao baixo orçamento do projeto. Mas no fim nenhuma dessas limitações técnicas importa muito, pois To The Moon jamais poderia ser analisado de forma digna pelo texto padrão de 10 anos atrás, porque ele não é um jogo igual aos que eram lançados e analisados 10 anos atrás. Muito pelo contrário, ele é diferente de qualquer outro que eu já tenha jogado, em muitos sentidos. E isso é maravilhoso.

Pra começar, To The Moon é completamente voltado para seu enredo. Isso não seria tão singular assim, se não fosse o fato de que quando eu digo 'completamente', é completamente mesmo. Ele não liga a mínima para mecânicas de jogo, exceto em saber como elas podem ser usadas para contar a história. É um adventure feito no RPG Maker (daí as limitações técnicas) que consiste apenas em andar pelos cenários, conversar com as pessoas, e resolver puzzles. Mas não como costumam ser os puzzles de adventures, complexos e super elaborados, que te obrigam a passar horas juntando as peças do quebra-cabeças. São puzzles simples, feitos exclusivamente com o objetivo de narrativa. Eles servem para isso, e apenas para isso. Os itens coletados ao longo da partida não têm nenhuma utilidade prática que não seja prosseguir com a história (leve tal coisa para tal pessoa pro jogo continuar) e, fora isso, você os pega apenas para poder ler a descrição deles. E porque, no contexto em que você os pegou, fazia sentido que você os pegasse. Na maioria das vezes sequer chegam a ser itens, são apenas anotações feitas pelos personagens para você poder ler quando quiser, tal é o foco que o jogo dá ao enredo. Isso é ruim? Em qualquer outro jogo talvez fosse, mas não aqui. Aqui, ruim seria se fosse diferente. Porque a história que To The Moon nos conta é, com muita folga, uma das mais fodas que você já viu.

Imagem
O protagonista do jogo, e ao fundo as duas pessoas que você controla.


Mas o que há de mais diferente (e talvez de mais brilhante) em To The Moon é ser um jogo onde, pela primeira vez na minha trajetória gamística, eu não controlo o protagonista. Como diriam os dicionários e livros de português, protagonista é o personagem que 'desempenha ou ocupa o primeiro lugar' em uma obra, aquele 'sobre o qual se conta uma história'. Os protagonistas de Titanic são o casal Rose e Jack, o de 007 é James Bond e o de Harry Potter é, bem, Harry. Em To The Moon você controla Eva Rosalene e Neil Watts, profissionais da Sigmund Corp., mas o protagonista é John Wyles. É a história dele que está sendo contada. É ele que importa, e Eva e Neil são meros coadjuvantes. Johnny, como gosta de ser chamado, é um velho moribundo que está inconsciente e à beira da morte. Pouco antes de morrer, ele contrata os serviços da Sigmund, uma empresa especializada em alterar a memória das pessoas.

Ao contrário do que pode parecer pela expressão 'alterar memória', o que a Sigmund faz não é simplesmente apagar lembranças das pessoas, como em Brilho Eterno De Uma Mente Sem Lembranças. Ao contrário: ela implanta falsas lembranças, e é contratada por pessoas como Johnny para fazer com que elas morram acreditando terem vivido uma vida diferente. Se eu quisesse morrer acreditando que fui campeão mundial de Smash Bros, chamaria a Sigmund. Johnny chamou a Sigmund para morrer acreditando que foi à lua. Mas ele não sabe por quê. Ele não consegue dizer quais os seus motivos para ter esse desejo, nem como ele surgiu. Ele só sabe que quer ter essa lembrança.

Imagem
Mais difícil do que pode parecer.


E aqui temos um problema, pois a tecnologia da Sigmund só pode criar memórias falsas a partir das memórias já existentes, através de uma sucessão coerente de acontecimentos. Se quiserem atender ao desejo do moribundo, Neil e Eva precisam saber como surgiu essa vontade em Johnny para então fazê-lo acreditar que, em algum momento, sua vida tomou outro rumo. E que nesse outro rumo, em vez de ele ter chegado onde chegou, ele chegou na lua. Dito isso, eles mergulham nas memórias do velho em busca dessa origem, de trás pra frente. E assim vemos Johnny colecionando coelhos de origami, Johnny visitando o túmulo da esposa, Johnny tocando para a esposa doente uma linda música de amor que compôs para ela no piano, Johnny construindo a casa onde mora, Johnny se casando com River, e daí por diante até a adolescência e infância de Johnny.

Toda a história de To The Moon gira em torno do que existe entre Johnny e River, de uma relação que nos parece assombrosamente real e crível: seus problemas, seus medos, suas alegrias, seus momentos bons e ruins. A devoção que marido e esposa cultivam um pelo outro é comovente desde o início, e ganha proporções inimagináveis na segunda metade do jogo. Nós somos os estranhos, os alheios, os intrusos em meio à história dos dois. E tudo o que presenciamos (às vezes quase com vergonha da nossa falta de tato em ter que presenciar certos momentos do casal, pois fomos contratados pra isso) é só porque precisamos descobrir o motivo de Johnny querer morrer acreditando que viajou até a lua. Para, a partir disso, realizarmos esse desejo.

Imagem
Johnny, River, a linha do tempo, e o farol favorito deles.


E assim uma coisa leva à outra. Um coelho de origami amarelo e azul que foi guardado com carinho leva ao guarda-chuva usado para visitar a lápide de River em noite de chuva, que por sua vez leva a um ornitorrinco de pelúcia dentro de um farol. Cada passo que Neil e Eva dão um pouco mais para o passado é através de pequenos objetos como esses, os chamados mementos, que ligam um ponto na linha do tempo de Johnny ao outro. Quase todos os puzzles do jogo são encontrar em cada recorte temporal cinco lembranças espalhadas pelo cenário (que podem ser tanto outros pequenos objetos tal qual os mementos, quanto conversas ou cenas que o casal vive) relacionadas àquele recorte específico e depois ativar o memento, o que significa resolver junto a ele um quebra-cabeça simples.

E conforme vamos resolvendo os puzzles, encontramos mais perguntas do que respostas. O que aconteceu entre os dois no passado? De onde vêm todos os coelhos de origami, e o que aquele que é azul e amarelo tem de especial? Por que River, que parece sempre tão distraída e avoada, guarda com tanto zelo um ornitorrinco de pelúcia? Por que ela e Johnny gostam tanto daquele farol, a ponto de quererem construir uma casa na colina junto a ele? E sobretudo, DE ONDE CARGAS D'ÁGUA veio essa vontade de morrer acreditando que foi à lua, sendo que aparentemente nada na história de Johnny tem qualquer coisa a ver com isso, já que ele teve uma vida comum e feliz ao lado da mulher que ama?

Imagem
Uma vida comum e feliz. (e uma fanarte do caralho)


As questões que To The Moon nos traz, só jogando para compreender. Nem todas as respostas vão ser simples, e algumas perguntas sequer poderão ser respondidas ao chegarmos na tela de créditos. São questões para levarmos conosco para além do jogo. É fácil descobrir por que Johnny queria ir à lua depois de zerar essa obra de arte disfarçada de Videogame, mas é difícil compreender de onde ele e sua esposa tiram forças para amar um ao outro de forma tão pura e intensa, é difícil entender como que porra nenhuma do que acontece na vida dos dois pode quebrar isso. Nem as brigas de casal, nem os problemas financeiros, nem a morte, nem coisas muito piores. Levar Johnny à lua não é difícil por exigir habilidade com os botões ou uma capacidade enorme de raciocínio. É difícil porque, frente a tudo o que acontece no jogo, parece uma questão de menor importância. E quando descobrimos o quanto estávamos enganados nesse sentido, passa a ser difícil por ser uma decisão difícil, veja só, porque é difícil reconhecer a nossa insignificância em meio a tudo isso e não podermos fazer nada. Podemos até ter sucesso, mas o máximo de sucesso que vamos conseguir é fazer um velho viúvo e moribundo, que nunca nos viu na vida, morrer acreditando que foi à lua. É trágico até não poder mais, mas é a nossa missão. E se ao final de tudo escorrer uma lágrima, é sinal que fomos dignos dela.

Imagem
Imagem
CDX
Maquinista Real
Maquinista Real

Avatar do usuário

Offline
 
Mensagens: 1222
Registrado em: 28/05/2005 (Sábado), às 13h31min
Localização: Serra da Mantiqueira
Cash on hand: 2,423.15 Rupees

Só o CDX pra me fazer postar aqui de novo...

Mensagempor lpslucasps » 30/11/2015 (Segunda-feira), às 14h15min

Lembro da época em que se dava notas separadas para aspectos do jogo e depois fazia-se uma nota geral com a média de tudo. Saudades, só que não. :P

Então, gostei da análise. Explica muito bem os principais temas da história e como sua narração usa as ferramentas lúdicas (ainda que limitadamente) para torná-la mais expressiva. Só duas coisas:

1) "obra de arte disfarçada de Videogame" é o carvalho. Arte não tem que se "disfarçar" de videogame; videogames podem ser arte, e conheço muitas artes que usam o videogame como mídia. Nesse aspecto, To the Moon não é a exceção.
2) Não acho que River e Johnny tivera uma vida tão feliz — pelo menos não unilateralmente.
Texto escondido (pode conter spoilers): 
River morreu magoada, com o marido esquecendo porque a amava e casou com ela, tentando (e falhando) fazê-lo lembrar e incapaz por não saber se comunicar.


BTW, To the Moon não está mais no meu top 10, apesar de ainda gostar bastante. :P
Contos de bolso

Imagem


Uma análise profunda e sombria do mito Pokémon


Quarto conto no ar: Joias
lpslucasps
Guarda Real
Guarda Real

Avatar do usuário

Offline
 
Mensagens: 692
Registrado em: 24/02/2011 (Quinta-feira), às 22h42min
Localização: Belo Horizonte/Minas Gerais
Cash on hand: 823.30 Rupees

Re: To The Moon - Análise

Mensagempor CDX » 16/12/2015 (Quarta-feira), às 11h39min

Já te respondi no Face, mas vai aqui também para efeito de debate. e pra jogar o tópico pra cima pra mais gente ler

1) Não sei se é uma gíria tão incomum, mas achei que a expressão 'obra de arte disfarçada de tal coisa' fosse mais ou menos conhecida. 'Eu comi uma obra de arte disfarçada de bolo'. Não falei aquilo no sentido literal, sou dos que defendem que Videogame é arte. :wink:

2) Esse é um ponto que dá pano pra muita manga. Mas mesmo que tudo que eu escreva aqui seja um monte de abobrinha, o que eu tá na análise continua sendo verdade.

Texto escondido (pode conter spoilers): 
...porque eu disse que ELE teve uma vida feliz, porque aquele trecho da análise é sobre o Johnny e não a River.

Primeiro, reduzir 'por que ele a amava e casou com ela' ao primeiro encontro é ridículo. :P Eles tiveram toda uma vida juntos. O que ele esqueceu foi o primeiro encontro e só, e é disso que ela fica tentando fazer ele lembrar nos últimos anos da vida. Esse encontro não é algo pequeno (principalmente depois que ele conta pra ela os motivos de na adolescência ter chamado ela pra sair), longe disso, mas também não é 'o porquê supremo e único do amor que eles tinham' ou algo assim.

Segundo, o jogo não deixa claro se ela sabia ou não que ele tinha se drogado pra causar uma amnésia pesada em si mesmo. Fica meio subentendido que ela não sabia mas nada explícito. O que ela sabia é que por algum motivo ele esqueceu do primeiro encontro, em algum momento entre esse e quando ele chama ela pra sair na escola. Ou é o que a gente supõe que ela tenha percebido, depois que já adultos eles conversam sobre aquele momento da adolescência.

Além do mais, o primeiro encontro também marcou ele a tal ponto de que mesmo se drogando, ele reconheceu ela na escola e quis sair com ela. Ele não sabia dizer direito por que (a conversa dele com o Nick na cantina deixa isso claro) e acabou achando que era 'pelo jeito diferente dela', mas não é como se ele tivesse sido um escroto do tipo 'não gostei do nosso primeiro encontro, quero esquecer ele, mas vou te convidar pra sair só pra chamar a atenção'. O que ele sentia por ela (que mesmo não se reduzindo ao 1º encontro tinha começado lá) era uma parada tão forte que ele continuou 'lembrando' mesmo depois que ela morreu. Daí a vontade de ir pra lua.

Por fim, mesmo se os últimos anos da vida dela tiverem sido uma merda total e completa, ainda assim teve tudo o que eles viveram antes. 'The ending isn't any more important than any of the moments leading to it'. :TT:
Imagem
CDX
Maquinista Real
Maquinista Real

Avatar do usuário

Offline
 
Mensagens: 1222
Registrado em: 28/05/2005 (Sábado), às 13h31min
Localização: Serra da Mantiqueira
Cash on hand: 2,423.15 Rupees


Voltar para Outros jogos

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante

cron